Urgências 24h

cirurgia cataratas

Anatomia

O cristalino (lente) do olho normal, é um dispositivo de focagem. É completamente transparente e é suspenso na sua posição por fibras de tecido chamado zonula que estão dentro da pupila. A lente foca a imagem sobre a retina no fundo do olho através de um processo chamado de acomodação. O poder de focagem da lente do cão é pelo menos três vezes mais fraca do que a de um ser humano, assim como a lente de um gato tem na melhor das hipóteses metade da potência de focagem como um ser humano. (Cães e gatos têm um sentido de olfato pelo menos 1000 vezes mais preciso do que o nosso e isso é o seu principal meio de perceber o mundo.)

Apesar da sua transparência, o cristalino é de facto feito de fibras de tecido. Quando o animal envelhece, o cristalino não pode alterar seu tamanho e crescer mais, em vez disso, as suas fibras tornam-se mais compactas. O cristalino mais velho, sendo mais denso, parece nublado. Esta condição é chamada de esclerose nuclear e é responsável pela aparência turva dos olhos de cães mais velhos. Os cristalinos com esclerose nuclear podem parecer nublados, mas eles ainda são transparentes e o animal ainda pode ver através dele, não são cataratas.

O cristalino é revestido por uma cápsula que, se for rompida, permite que o sistema imunitário entre em contacto, pela primeira vez, com as proteínas da lente, e reconhece-as como estranhas, atacando-as. A inflamação resultante (uma forma de uveíte) é dolorosa e pode ser prejudicial para o olho. A catarata pode resultar desta inflamação ou a partir de qualquer uma das numerosas outras razões listadas abaixo.

A catarata pode ser congénita (nasce com o animal), relacionada com a idade, de origem genética (a causa mais comum), causada por trauma, por deficiência alimentar (algumas fórmulas de substituição do leite de gatinhos têm sido implicados); por choque elétrico, ou pela toxinas. O paciente com catarata não é capaz de ver através da opacidade. Se toda a lente estiver envolvida, o olho vai ficar cego.

Uma nota sobre animais diabéticos:

Muitas coisas podem ser causa de desenvolvimento de cataratas. Uma das causas é a diabetes mellitus. Nesta doença, o açúcar no sangue aumenta e aumenta também o nível de açucar nos fluidos oculares. O fluido da câmara anterior do olho é o líquido que normalmente alimenta a lente, mas há um limite de glicose que a lente é capaz de consumir. O excesso de açúcar é absorvido pela lente e transformado em sorbitol. O sorbitol na lente infelizmente extrai água da lente, formando uma catarata irreversível em cada olho. A catarata é praticamente inevitável em cães diabéticos, não importa o quão boa seja a regulação da insulina.Os gatos diabéticos têm um metabolismo do açúcar alternativo no olho e não têm cataratas por diabetes.

O que mais poderia ser?

Muitos proprietários não são realmente capazes de dizer qual a parte do olho que parece nublada. Existem opacidades na córnea, causadas por outras doenças oculares, que podem ser confundidas com uma catarata por um proprietário inexperiente. Além disso, em cães, o cristaliono irá tornar-se turvo com a idade como descrito acima. A esclerose nuclear, tal como descrito, pode imitar a aparência de uma catarata, mas o olho com esta condição pode ver e não está doente. É uma boa ideia fazer um exame oftalmico ao seu animal de estimação se achar que é uma catarata, pois pode estar enganado.

Por que é mau ter uma catarata?

A área do cristalino afectada pela catarata pode chegar a um ponto em que o paciente não pode ver através dele. Se a catarata envolve todo o cristalino, o animal pode ficar cego desse olho e se afectar ambos os olhos, significa que o animal de estimação pode ficar completamente cego.

A catarata pode luxar, o que significa que o cristalino pode soltar-se dos fios de tecido que o seguram no seu lugar e, assim, acabar flutuando no olho, o que pode causar danos. Se ele se instala de modo a bloquear a drenagem do fluido natural do olho, pode resultar num glaucoma (um aumento da pressão intra-ocular), levando a dor e cegueira permanente. A catarata pode também causar glaucoma, quando absorve o líquido e incha, de modo a obstruir parcialmente a drenagem do fluído.

A catarata pode começar a dissolver depois de terem estado lá por muito tempo. Enquanto isso soa como ele poderia ser uma coisa boa, na verdade, é um processo altamente inflamatório. A inflamação profunda no olho cria uma condição chamada de uveíte, a qual é em si mesmo dolorosas e podem levar ao glaucoma. Se não houver qualquer sinal deste tipo de inflamação do olho, que deve ser controlada antes de qualquer cirurgia da catarata.

Uma pequena catarata, que não limita a visão não é provavelmente significativa. A catarata mais completa pode justificar o tratamento. As cataratas têm comportamentos diferente dependendo de sua origem.
Se a catarata é de um tipo que se espera que progrida rapidamente (tais como as cataratas hereditárias do jovem cocker spaniel) pode ser benéfico avançar para o tratamento (ou seja, a remoção cirúrgica), quando a catarata é menor e mais macia, pois a cirurgia será mais fácil.

Qual o tratamento ?

O tratamento das cataratas geralmente envolve a remoção cirúrgica ou dissolução física da catarata, sob anestesia geral. Para o efeito utilizamos os fármacos anestésicos mais avançados e uma monitorização exaustiva durante a anestesia. Este procedimento por ser invasivo só é equacionado se puder melhorar a visão do animal, não é considerado a menos que possa restaurar a visão ou resolver a dor.

Determinar se um cão ou gato é um bom candidato para a cirurgia das cataratas:

Obviamente, o paciente deve estar em bom estado geral de saúde para se submeter à cirurgia, os cães diabéticos deve ser bem estabilizados antes da cirurgia das cataratas. Além disso, o paciente deve ter um temperamento propício para a aplicação de gotas oculares em casa. A avaliação pré-anestésica laboratorial pode ser feito com veterinário habitual do paciente. Alguns pacientes deverão limpar dentes antes da cirurgia, para minimizar as fontes de infecção para o olho.

Deverá ser realizado um exame completo do olho:

Não é possível ver a retina através de uma catarata, um exame chamado electrorretinografia pode determinar se o olho tem uma retina funcional e pode beneficiar da cirurgia da catarata. A ecografia ocular será utilizada para despistar descolamentos da retina. Se o olho tem uma retina não funcional, não faz sentido sujeitar o paciente à cirurgia.
Se existir inflamação no olho esta requer tratamento antes da cirurgia. Nesses casos, são prescritos colírios por um período antes da cirurgia.

A cirúrgia de remoção das cataratas:

Historicamente, a remoção da catarata significava cortar cirurgicamente o olho e remover fisicamente a lente. Isso ainda é feito para pacientes mais velhos, cujos cristalinos são compactos. No caso de pacientes jovens, nos quais a lente é suave, é utilizada uma técnica chamada de facoemulsificação. Esta técnica tornou-se o método mais comum para remoção de cataratas em cães. Assim, a lente é fragmentada por ultrasons e aspirada para o exterior.
Após a remoção da lente, e sempre que possível, é implantada uma lente artificial.

Após a cirurgia, o animal deve usar um colar isabelino por duas a três semanas, e será necessário aplicar gotas e tomar comprimidos para reduzir a inflamação e evitar infecções, durante algumas semanas a meses. Pode ser recomendada a utilização de um peitoral para os passeios em vez da coleira, para reduzir a pressão na cabeça e nos olhos. Serão agendadas consultas de control.

Complicações possíveis:

Algum grau de uveíte (inflamação profunda) é inevitável. Isto pode causar uma reacção de constrição da pupila, que pode aumentar o risco de formação de cicatrizes no olho. A inflamação no olho deverá resolver-se ao longo de semanas ou meses após a cirurgia. A taxa de sucesso é maior para a cirurgia de cataratas, se houver inflamação mínima no olho antes da cirurgia.

Outra complicação envolve o desenvolvimento de opacidades na cápsula da lente restante. Nos seres humanos, é usada o laser para remover a cápsula da lente, mas nos cães, a cápsula é muito espessa para isso.

As hemorragias após a cirurgia podem ser uma complicação enorme e podem ser facilmente provocadas pelo excesso de actividade física ou ladridos intensos. Pequenos sangramentos têm pouca importância, mas uma grande hemorragia poderia prejudicar a visão.

O glaucoma (aumento da pressão intra-ocular) pode-se desenvolver em qualquer momento após a cirurgia das cataratas. Esta complicação pode não só causar cegueira, mas dor também.

Como em qualquer intervenção cirúrgica existe o risco de infecções no olho operado que podem ir da incisão cirúrca para o interior ou exterior do olho. Esta complicação é minimizada pelas técnicas assépticas utilizadas e pela utilização de antibióticos em gota e comprimidos no pós-operatório.

Outras complicações descritas são: deiscência das suturas, úlceras, vascularização ou mineralização da córnea, descolamento da retina, luxação da lente implantada.

No geral espera-se que 80% das cirúrgias tenham sucesso a longo prazo.

Como vai ver o animal após a cirúrgia?

A remoção cirúrgica de uma catarata pode resultar numa melhoria dramática da visão funcional. Alguns cães precisam de mais tempo para se adaptar do que outros. A implantação de uma lente intra-ocular vai melhorar muito a rapidez e precisão com que o seu cão vai ver.

Em alguns casos, podemos optar por não colocar uma lente intra-ocular, ou pode não ser possível, devido a danos na cápsula do cristalino. Nestes cães, a imagem observada pela retina será ligeiramente maior e menos distinta do que o normal. A visão à distância irá melhorar significativamente enquanto a visão de proximidade pode ser menos precisa. Alguns proprietários podem não notar essa diferença, a menos que seu cão realizasse tarefas que requeressem alta acuidade visual antes da formação da catarata.

Links de interesse:

http://www.acvo.org/new/public/common_diseases/cataracts.shtml
http://www.animaleyecare.net/diseases/cataract.htm